Ideias inovadoras: conheça 3 materiais alternativos para estratégias de construção

Apesar de arquitetos, designers e engenheiros ainda não estarem tão habituados
com técnicas e materiais alternativos para construção, o questionamento sobre
maneiras de se projetar e construir é algo muito mais recorrente nos dias de hoje. A
redução de custos e o melhor desempenho em questões importantes, em
comparação com os modelos tradicionais, são vistas como vantagens ilimitadas e
tem atraído também a atenção do mercado – embora ainda haja uma postura
bastante ponderada a respeito do tema.

A seguir, foram selecionados três tipos de materiais alternativos que podem criar
modelos de construção diferentes e totalmente viáveis. Fique atento às novidades!


(imagem extraída de Super Interessante)

Fibras Naturais

Na construção civil, as fibras podem ser utilizadas em placas de revestimento; de
isolamento; e como reforço adicional ao concreto, em peças para coberturas,
fundações de edifícios e contenção de encostas. A maioria das espécies naturais,
de onde são extraídas, cresce rapidamente, podendo ser cultivadas em muitos tipos
de solo ou ser encontradas em forma de rejeitos.

São exemplos de fibras naturais: palha, cortiça, juta, bambu, piaçava, sisal, fibra de
madeira, de celulose, de coco, da cana-de-açúcar, da bananeira, entre outras.
Um exemplo de aplicação desse material é o fibrocimento, uma mistura de fibras
naturais com cimento e aditivos, que é a melhor opção ao uso da fibra de amianto,
produzida com substâncias altamente cancerígenas e utilizada em telhas, caixas
d’águas e mais.


(imagem extraída de Casa dos Artesanatos)

Outro bom exemplo obtido pela mistura de terra crua, água, palha e outros
materiais, como esterco de gado, é o tijolo de adobe. Sua massa é, geralmente,
moldada artesanalmente em fôrmas e cozida ao sol. Peças assim se mostram
benéficas – com algumas ressalvas – pelos custos baixos, o alto desempenho
térmico, a menor emissão de poluentes, pela leveza das peças, a resistência, a
elasticidade e a durabilidade.


(imagens extraídas de Agriculturers e Arquitete Suas Ideias

Fibra da Bananeira

O Brasil como um dos maiores produtores de banana do mundo, torna a fibra da
bananeira uma boa alternativa para a construção civil nacional. Uma das maiores
vantagens é de que o produto final não afeta a saúde humana e nem a natureza, já
que é de um novo broto da bananeira que se extrai a fibra, sem prejudicar a planta
original, que continuará a produzir suas bananas. Além disso, há produtores que
descartam a planta inteira após a retirada dos primeiros cachos e depositam tudo na
plantação, para a decomposição natural, o que poderia gerar fungos entre outros.

Ao invés disso, esses resíduos poderiam ser facilmente reaproveitados sendo
misturados com outros materiais, como o papel reciclado, e podendo resultar em
placas para revestimento de paredes em ambientes com alta propagação de sons,
como é o caso das salas de aula; revestimento em móveis; e mais.


(imagens extraídas de Ecoeficientes e Casa Claudia)

Bitucas de Cigarro

Quase 5 mil substâncias tóxicas são liberadas diariamente por cerca de 13 milhões
de bitucas de cigarro que são descartadas no meio ambiente no mundo todo,
contaminando os solos e rios de nosso planeta. Substâncias estas que podem levar
até 5 anos para se decompor.

Abbas Mohajerani, da Universidade RMIT, na Austrália, criou como uma alternativa
para compensar a produção desses resíduos um tipo de tijolo que mescla argila e
bitucas em sua composição. Em tese, seu processo de fabricação não apresentaria
riscos de contaminação, já que durante a queima das peças os poluentes ficariam
presos aos tijolos – aliás, a sua queima seria mais rápida, economizando energia. O
produto final também seria mais leve e com melhores propriedades de isolamento
térmico, em relação aos modelos tradicionais.


(imagem extraída de The Greennest Post)


(imagem extraída de Contru Liga)

Pneus Usados

Acredita-se que cerca de 2 milhões de novos pneus são fabricados todos os dias no
mundo. Realidade esta que tornou-se um dos maiores problemas ambientais da
atualidade devido ao não reaproveitamento de pneus velhos, os quais costumam
ser simplesmente descartados na natureza – chegando a marca anual de quase 800
milhões de unidades.

Pensando nisso, construtores têm planejado maneiras de viabilizar a utilização
desse material em seus projetos, em especial àqueles voltados para comunidades
mais pobres, com pouco acesso a recursos ou que dispõe de menos tempo para
construir suas moradias – e o resultado é bem interessante.


(imagem extraída de Praxis)

São exemplos de aplicabilidade dos pneus em processos envolvidos na construção
civil: revestimento de cobertura, substituindo telhas cerâmicas, metálicas e de
fibrocimento; isolamento térmico; piso asfáltico; peças para formação de paredes,
muros de contenção, muros comuns, contenção de margens de córregos, escadas,
galerias pluviais e mais; e primeiras fiadas sobre fundações, já que os pneus podem
ser colocados diretamente sobre a terra, sem sofrer alterações por efeito de
qualquer umidade existente no local.

Devido às propriedades da borracha, os interiores costumam apresentar sempre
uma temperatura estável, sem depender de climatizadores. A massa térmica, a
resistência e a estabilidade das paredes são aumentadas com o preenchimento de
terra. Claro que o bom desempenho está relacionado com uma série de fatores.
Primeiro, com a conservação das peças. Segundo, a situação da superfície, da
base. E por último, o preenchimento dos vãos, que pode ser feito com barro e
arrematado, posteriormente, com gesso.


(imagem extraída de Pinterest)


(imagem extraída de Pinterest)


Fontes: Setor Reiclagem, Ciclo Vivo, iConstruindo, ArcDaily, Universo Jatobá
BlogdaEngneharia

1 Comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Share This

Copy Link to Clipboard

Copy